A ideia de erguer uma basílica em Lisieux em homenagem àquele que acabava de ser canonizado em 1925 encontrou muitas oposições por parte do clero local. A cidade já tinha muitos edifícios religiosos; estimou-se também que o culto a Thérèse, favorecido pela piedade dos cabeludos durante a guerra de 1914-1918, teria pouco tempo.

Essas objeções não impediram o então bispo, Monsenhor Lemonnier. Já em 1925, ele encomendou a um arquiteto de Paris um esboço preliminar. Mas o edifício proposto suscitou muitas críticas; no exterior, em particular, as proporções eram apertadas e se sentia que, para o santo mais querido do mundo, era necessária a basílica mais bonita possível.

Um novo projeto foi então solicitado a um arquiteto do norte da França, o Sr. Louis-Marie Cordonnier, de reputação internacional.

O Papa Pio XI, que canonizou Teresa em 17 de maio de 1925, considerou-a a Estrela de seu pontificado. Desejava muito a construção de um santuário em Lisieux. Este desejo do Papa ajudou a reduzir a oposição local, e em 21 de setembro de 1927, Dom Lemonnier aprovou o plano de Cordonnier. O bispo Suhard, que iria suceder ao bispo Lemonnier alguns meses depois, não reverteu a decisão de seu antecessor, e as primeiras obras começaram em 1929.

Abertura da Basílica

1er Outubro a final de fevereiro: 9h30 às 18h

1er Março a 30 de abril: 9h30 às 19h

1er Maio a 31 de agosto: 9h30 às 20h

1er Setembro a 30 de setembro: 9h30 às 19h

Centro São João Paulo II

  • Outubro a março: 10h às 17h
  • Abril a setembro, das 10h às 18h.
Vista panorâmica da basílica

Em 30 de setembro de 1929, a obra estava suficientemente avançada para o lançamento da primeira pedra do edifício. A partir de então, a basílica foi sendo construída em um ritmo acelerado.

Em novembro de 1929, Pio XI informou a Monsenhor Suhard que era necessário “fazer muito grande, muito bonito e o mais rápido possível! "

  • área total: 4 m500
  • altura da cúpula: 90 m
  • comprimento da basílica: 104 m

Em 11 de julho de 1937, no final do XI Congresso Eucarístico Nacional, o cardeal Pacelli, futuro Papa Pio XII, procedeu à bênção solene da basílica.

A basílica sofreu pouco com os bombardeios de junho de 1944, e as obras de acabamento (vitrais e mosaicos) continuaram até 11 de julho de 1954, quando a consagração do santuário foi realizada por Dom Martin, arcebispo de Rouen, sob a presidência do Cardeal Feltin , Legado do Papa

A basílica superior

Em dias agitados, 3 peregrinos podem ocupar seus lugares nos bancos da basílica e acompanhar facilmente as cerimônias que acontecem no santuário: nenhuma coluna pode deter o olhar.

Em outros dias, os peregrinos gostam de se demorar nos mosaicos e vitrais feitos nas oficinas de Pierre Gaudin (1908-1973), artista formado nas oficinas de arte sacra dirigidas por Maurice Denis e Georges Desvallières. Em sua escola, Pierre Gaudin redescobriu a grande tradição dos mestres vidreiros da Idade Média: brincar com a cor dos vitrais para criar uma luz que favoreça a contemplação ... Basta um pouco de sol para os manchados - as janelas de vidro para Pierre Gaudin conferem à basílica uma atmosfera particularmente acolhedora. No entanto, sob a influência de Abbé Germain, o primeiro reitor do santuário, o artista não cedeu ao seu apelo pela arte abstrata: sem transformar seus vitrais em pinturas de vidro (como os vidreiros do século XIX), ele desenhou um projeto figurativo, dando assim a todos os peregrinos a oportunidade de descobrir, através da sua obra, a essência da mensagem de Thérèse.

A Basílica Inferior ou cripta

La cripta é totalmente revestido com mármore e mosaicos.

Em 1958, a decoração foi concluída com a instalação de cinco mosaicos representando as etapas importantes da vida de Thérèse: o batismo de Marie Françoise Thérèse Martin na igreja Notre-Dame d'Alençon, em 4 de janeiro de 1873; a primeira comunhão de Teresa na abadia beneditina de Lisieux, em 8 de maio de 1884; a cura milagrosa de Thérèse em Les Buissonnets na festa de Pentecostes, 13 de maio de 1883; a profissão de Thérèse, 8 de setembro de 1890; a morte de Thérèse em 30 de setembro de 1897.

A cripta abriga o relicário dos Santos Louis e Zélie Martin, pais de Santa Teresa.

Crypte 2

A capela de adoração

Se uma igreja é feita para a participação na liturgia, também é feita para a meditação. O capela de adoração cujo acesso é através da cripta, permite orar em silêncio e em paz.

  • A parede direita é a da cripta, cujas arcadas de granito nos lembram que ainda estamos na Basílica;
  • Os bancos são os que já existiram na capela do Carmelo;
  • O altar é talhado no mesmo modelo do Carmelo;
  • Acima do tabernáculo que também lembra o do Carmelo: o ícone da Trindade.

O campanário

Deixado inacabado, o sino da torre abriga os 51 sinos. O anel de voleibol é composto por 6 sinos, o maior dos quais, o Bourdon (9 toneladas) tem o seu lema em bronze:“Eu faço soar o apelo das pessoas à unidade no Amor”

Os refrões são tocados a cada hora e mudam de acordo com os períodos litúrgicos.

O carrilhão de concertos na torre sineira da basílica é um grande carrilhão Paccard de 51 sinos totalmente cromáticos de grande qualidade sonora. Paccard é um dos fabricantes de carrilhão mais famosos do mundo.

Um carrilhão de concerto como o de Lisieux, na tradição dos carrilhões flamengos, tem um teclado "manual", cada tecla ligada ao badalo de uma campainha; portanto, temos um sino por nota. A precisão dos sinos e a extensão do teclado permitem tocar todo o repertório escrito para o carrilhão ou arranjado a partir de outras obras.

Elevador de Thérèse

O elevador é feito na parte inferior da torre norte (esquerda) da Basílica e atende a 4 níveis: a praça, a futura Capela de Martin e a Cripta, a Basílica superior e a Cúpula. Permite o acesso ao exterior panorâmico interior da Basílica e às passagens da Cúpula situadas a 80 metros de altura. Os visitantes que desejam ganhar altura poderão ver de perto os mosaicos da cúpula que representam Thérèse coroada no céu, flores nas mãos, símbolos das suas pequenas ações realizadas com amor. Já não é necessário subir os 205 degraus para descobrir a paisagem envolvente!

Especifiquemos também que quando o Bispo recusa a entrada de Teresa no Carmelo por causa da sua tenra idade, ela exalta o seu desejo e decide levá-lo à autoridade máxima da Igreja: o Papa. Circunstância muito fortuita e simbólica, foi a caminho de Roma que descobriu, num grande hotel parisiense, uma invenção prodigiosa: o elevador!

Pela brilhante transposição que faz para a sua vida espiritual, este acontecimento material alimentará em Thérèse uma convicção: cheia de uma inspiração extraordinariamente moderna e de uma ternura ousada, dirá ela, cheia de esperança:

“O elevador que me deve levar ao céu são os teus braços, ó Jesus! "(Ms C 3 r)

O "Bestiário" da Basílica de Lisieux

O grande vitral do transepto norte da Basílica mostra, em sua parte inferior, quatro grandes símbolos emprestados do bestiário cristão. Partindo de um substrato da cultura latina e de lendas antigas, a Igreja soube usar a linguagem dos símbolos pictóricos a seu favor: naturalmente "falando" eles eram fáceis de memorizar e compreender pela maioria dos analfabetos da época. Vamos examiná-los começando do centro.

O cervo, símbolo do batismo

O cervo é um símbolo da sede da alma que tudo espera de Deus: «Como o cervo sedento procura água viva, assim a minha alma te procura, meu Deus, a minha alma tem sede do Deus vivo» (Sl 41-42). A observação pelos antigos da queda e do recrescimento dos chifres do cervo, rapidamente deu ao animal a imagem do renascimento. Além disso, a lenda afirma que os cervos podem matar cobras e, para não sucumbir às suas picadas, bebem água limpa durante dias para se purificarem e serem trazidos de volta à vida.

Muito rapidamente, o veado é identificado pelos cristãos com o catecúmeno, com sua aspiração ao batismo, cuja água o purificará do “veneno” do pecado.

O Pelicano, símbolo da Eucaristia

Este pássaro é muito frequentemente encontrado em igrejas, esculpido nas portas dos tabernáculos ou na frente dos altares. Segundo a lenda, o pelicano perfura seu peito e seu sangue jorrando alimenta seus filhotes. Que animal extraordinário! Dê sua vida por seus filhos. “Não há maior prova de amor do que dar a vida por aqueles que você ama. »(Jo 15:13). O pelicano, na época cristã, torna-se símbolo da Eucaristia, do Corpo e do Sangue de Cristo dados para a salvação dos homens.

A águia, símbolo da contemplação

Uma águia, com plumagem vermelha brilhante, é mostrada olhando para o sol. A tradição antiga afirmava que a águia podia olhar para o sol sem fechar os olhos. A partir dessa constatação, a águia se tornou o símbolo daquele que sempre permanece na presença do Senhor, nunca desvia o olhar e cuja alma se eleva acima das coisas terrenas.

A galinha, símbolo do amor que une

Finalmente, os dois vitrais nas extremidades nos mostram um cenário country: uma pequena galinha branca cercada por seus pintinhos. Longe de serem mais anedóticos do que os animais anteriores, as galinhas e os pintinhos são, antes de mais nada, um sinal de uma nova vida. Mas, acima de tudo, a galinha é um símbolo da maternidade, zelando e protegendo seus filhotes. Ela é capaz de meditar até que se esqueça de comer e beber.

Ela mostra cuidado constante com seus filhotes e está pronta para defendê-los até a morte, sempre rindo para evitar que se percam e para encorajá-los. O próprio Jesus falou da galinha e comparou-se a ela ao se dirigir a Jerusalém:

“Quantas vezes quis reunir os teus filhos como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas…” (Mt 23:37)

No fundo dos vitrais que mostram a galinha está um monumento: podemos facilmente reconhecer o Capela do Carmelo de Lisieux. Então, haveria uma ligação entre esse vitral da galinha e a vida de Thérèse no Carmelo? Domingo, 7 de junho de 1897. Thérèse está doente há mais de um ano, ela tem dificuldade para andar. Ela está mergulhada na prova da fé, sem perceber nada da presença de Deus:

“O céu está tão escuro que não vejo nenhuma clareira” (CJ 27.5.6). No entanto, "às vezes, é verdade, um minúsculo raio de sol ilumina minha escuridão, então a provação cessa por um momento" (Ms C, 7v °)

Neste domingo de junho, ela dá alguns passos com Ir. Agnès de Jesus, sua irmã Paulina, no jardim do mosteiro. Deixe Pauline contar a história: Descendo a escada, ela viu, à direita, sob a nêspera, a pequena galinha branca que tinha todos os seus pintinhos debaixo das asas. [...] Ela fez uma pausa pensativa para considerá-los. Depois de um tempo, acenei para ele que era hora de ir para casa. Seus olhos estavam cheios de lágrimas.

Eu disse a ele: “Você está chorando! "Então ela colocou a mão na frente dos olhos, chorando mais e me respondeu:" Não posso te dizer por que neste momento; Estou muito emocionada ... ”À noite, na sua cela, ela disse-me com uma expressão celeste:“ Chorei, pensando que o bom Deus aproveitou esta comparação para nos fazer acreditar na sua ternura. Durante toda a minha vida, foi isso que ele fez por mim! Ele me escondeu completamente sob suas asas! ... ”(CJ 7.6.1).

Le Chemin de Croix

Viva o amor,…..

Com Jesus é subir o Calvário,

É considerar a Cruz como um tesouro!…

Santa Teresa (PN 17)

Pensemos no número de vezes que o Senhor nos levantou e digamos a Ele novamente sobre nossa confiança em Seu amor misericordioso.

Venha e junte-se a nós em família, em equipes, em pequenos grupos de catecismo para vivenciar a Via Sacra na Basílica de Santa Teresa.

Durante todo o ano, possibilidade de programar a Via Sacra (mesmo para pequenos grupos) na cabeceira da Basílica ou na Cripta, dependendo do clima.

Contate a recepção pelo telefone 02 31 48 21 00 ou contact@therese-de-lisieux.com

Missas

15h30
du lundi au samedi
10h30
Domingo
17 horas
domingo